UOL Pan 2011 Mayra derruba judoca em 5s sem saber que rival era deficiente visual - 27/10/2011 - UOL Pan 2011
  • http://pan.uol.com.br/2011/ultimas-noticias/2011/10/27/mayra-derruba-judoca-em-5s-sem-saber-que-rival-era-deficiente-visual.htm
  • Mayra derruba judoca em 5s sem saber que rival era deficiente visual
  • 16/10/2021
  • UOL Esporte - Pan 2011
  • Pan 2011
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
Mayra Aguiar se garantiu na disputa pelo bronze após cair nas quartas de final

Mayra Aguiar se garantiu na disputa pelo bronze após cair nas quartas de final

27/10/2011 - 16h44

Mayra derruba judoca em 5s sem saber que rival era deficiente visual

Bruno Doro e Gustavo Franceschini
Em Guadalajara (México)

A gaúcha Mayra Aguiar garantiu vaga na disputa pelo bronze da categoria até 78 kg em apenas cinco segundos. O rápido ippon foi sobre uma das atletas mais especiais do judô nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. Lenia Ruvalcaba é deficiente visual e teve de lutar com os cartolas do esporte mexicano para ganhar o direito de disputar os Jogos entre atletas sem deficiência.

"ACHAM QUE QUEM TEM CAPACIDADES DIFERENTES NÃO PODE FAZER O MESMO QUE OS OUTROS. NÃO É VERDADE"

  • Arquivo pessoal

    Você está frustrada por sair do Pan com duas derrotas tão rápidas?

    É claro que estou triste, mas contente pela maneira como me apoiaram sempre, o público, a família, os amigos. No dia do sorteio, me perguntaram se eu achava que tinha chances de medalha. Eu sempre disse para esperar, ver quem seriam as rivais. O sorteio não me favoreceu. A experiência das duas [atletas que a derrotaram, a Yalennis Castillo e Mayra Aguiar] é muito grande, tanto da cubana, quanto da brasileira. E ainda tinha a americana [Kayla Harrison]. Todas elas disputaram Olimpíadas e tiveram sucesso em Mundiais. Tenho que trabalhar um pouco mais para chegar a esse nível.

    Mesmo assim, o balanço é positivo em sua participação?

    Estou contente porque lutei contra muitas coisas para estar aqui. Muitas. Incluindo gente que não queria que eu estivesse aqui. Vou embora triste e feliz, porque um atleta sempre quer uma medalha.

    Agora, seu foco vai para o Para-Pan?

    A partir das 17h, começamos uma nova jornada. Vou começar a me preparar para o Para-Pan. Temos de estar muito bem preparados porque as Para-Olimpíadas de Londres estão chegando. E ainda vou competir em casa. É uma honra disputar os dois Pans. No geral, todos acham que os atletas com capacidades diferentes não podem fazer a mesma coisa que todo mundo faz. É claro que vão falar que eu não devia estar aqui, que não conquistei medalha, mas a verdade é que estou orgulhosa do que fiz. O judô é o mesmo no esporte para-olímpico, mas tenho mais experiência. Vou buscar o ouro.

Eliminada após duas derrotas, que duraram dez segundos (para a cubana Yalennis Castillo) e cinco segundos (para a brasileira Mayra Aguiar) cada, ela saiu da área de lutas chorando, mas orgulhosa. O motivo? Nenhuma das rivais a tratou como deficiente. O maior exemplo foi Mayra, que não foi informada que a rival era uma para-atleta.

“Mesmo? Eu não sabia. Não conhecia, nunca tinha lutado com ela. Mas não adianta. Você tem que estar focado. Se vacilar, a pessoa te joga. Você tem que entrar com a mesma cabeça para todo adversário. Que é ganhar e jogar de ippon o mais rápido possível. Entrei como entro contra qualquer adversária”, explicou a brasileira.

Estrategista da seleção, Leonardo Mataruna confirmou que a brasileira não foi informada sobre Lênia. "Não existe necessidade de diferenciar o atleta em relação ao seu estado de competitividade, mas sim em relação ao seu estilo de luta. São atletas como todos os outros", afirma.

“Foi uma competição muito difícil. É triste ficar fora do pódio, porque sei que poderia. Quando me perguntavam se eu tinha chance de medalha, dizia que tinha, mas só se desse sorte na chave. Mas não dei. A cubana e a brasileira são muito experientes, a americana, que estava na chave também”, disse Lenia.

Agora, a atleta se prepara para encarar o Para-Pan, em novembro. Lenia tem, desde seu nascimento, miopia, astigmatismo e estrabismo, entre outros problemas visuais. Não é completamente cega, mas enxerga com dificuldade e tem de minimizar a deficiência com óculos ou lentes corretivas.

Judoca desde criança, a mexicana competia normalmente até 2004, quando recebeu o primeiro convite para o esporte paraolímpico. Declinou por estar na seleção nacional convencional, mas teve de mudar de postura.

“Eu sofri com problemas políticos. A presidenta da federação da minha região [Jalisco] impediu que eu fosse convocada. Meu pai viu a falta de organização do esporte quando eu era menor e tentou fazer alguma coisa para melhorar, e por isso a presidenta me tirou de um torneio de juvenis na [República] Dominicana”, disse Lenia.

A atitude empurrou a judoca para o esporte paraolímpico e frustrou seu pai, Gerardo Ruvalcaba, que viu seu outro filho, árbitro de judô, também ser boicotado. Em uma competição de São Paulo, em 2005, a judoca derrotou Lorena Pierce, norte-americana que havia sido medalha de prata nos Jogos Paraolímpicos de Atenas, um ano antes. “Ali eu percebi que poderia dar certo. Gostei. Se eu ganhei dela, poderia seguir em frente”, contou Lenia. A mexicana foi campeã parapan-americana em 2007, no Rio de Janeiro, e vice-campeã paraolímpica em 2008, em Pequim.

Com o sucesso no esporte adaptado, voltou a sonhar alto com as competições convencionais. Depois de anos disputando apenas os torneios nacionais, ela foi aos Jogos Centro-Americanos no ano passado e conquistou o bronze. 

CAMILO E GUILHEIRO LUTAM POR OURO

Tiago Camilo foi o primeiro brasileiro a garantir medalha no judô nesta quinta. Logo depois, Leandro Guilheiro copiou. Nesta quinta, os dois se classificaram para as finais, das categorias até 90 kg e 81 kg. A dupla também conseguiu a classificação de forma parecida, com dois ippons.

Camilo venceu o mexicano Isao Cardenas, por ippon com 2min20s. Antes,  já tinha passado  pelo canadense Alexandre Edmond. O rival na final será o cubano Asley Gonzalez.

Guilheiro foi ainda mais rápido do que Camilo. Contra o canadense Antoine Valois, aplicou o ippon com 1min40s. Antes, tinha passado pelo chileno Luis Retamales e pelo peruano German Velazco, eliminado após quatro punições. Pelo ouro, ele encara o porto-riquenho Gadiel Miranda.

Medalhas

  • País
    Ouro
    Prata
    Bronze
    Total
    EUA 92 79 65 236
    CUB 58 35 43 136
    BRA 48 35 58 141

Atletas Brasileiros

  • Veja o perfil dos atletas brasileiros