UOL Pan 2011 Campeão no judô, Leandro Cunha celebra virada na carreira após batizar filha de Vitória - 29/10/2011 - UOL Pan 2011
  • http://pan.uol.com.br/2011/ultimas-noticias/2011/10/29/campeao-no-judo-leandro-cunha-celebra-virada-na-carreira-apos-batizar-filha-de-vitoria.htm
  • Campeão no judô, Leandro Cunha celebra virada na carreira após batizar filha de Vitória
  • 27/09/2021
  • UOL Esporte - Pan 2011
  • Pan 2011
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
Leandro Cunha, o Coxinha, comemora medalha de ouro no Pan de Guadalajara

Leandro Cunha, o Coxinha, comemora medalha de ouro no Pan de Guadalajara

29/10/2011 - 10h00

Campeão no judô, Leandro Cunha celebra virada na carreira após batizar filha de Vitória

Bruno Doro
Em Guadalajara (México)

O nome não poderia ser mais apropriado. Vitória. Desde que a filha de Leandro Cunha nasceu, a fase do novo papai não poderia ser melhor. O Coxinha foi vice-campeão mundial pela segunda vez e, na noite de sexta-feira, conquistou a medalha de ouro dos meio-leves (66 kg) no judô nos Jogos Pan-Americanos.

VITÓRIA, A FILHA DE LEANDRO CUNHA

  • Reprodução/Twitter

    O judoca usou sua conta no twitter para avisar sobre o nascimento de sua filha: "Ouro dedicado a minha filha Vitória! Bem vinda ao mundo. Coxinha, campeão Pan-Americano de Judô!", escreveu o judoca em abril

“Coloquei o nome certo, Vitória. Ela é pé-quente. Vou ter que dar mais uma medalha para a coleção dela”, afirmou, contente, o pai coruja, após uma das campanhas mais estranhas do judô em Guadalajara. Em suas três lutas, os juízes aplicaram marcações, voltaram atrás e os lutadores ficaram sem entender.

Na primeira, foram dois ippons revogados antes do golpe perfeito que definiu a vitória. Na segunda, um waza-ari foi revisto e virou um ippon. E na final, os juízes chegaram a pedir para os atletas recomeçarem o combate após um waza-ari e três punições, que equivalem a um ippon. “Desde o começo foi confuso assim. Disseram que eu fiz três ippons na primeira luta, mas acho que não foi assim. Talvez dois. Mas o importante é que eu estava preparado para vencer”.

O título, aliás, foi a primeira grande vitória de Coxinha. Ele foi duas vezes vice-campeão mundial, mas nunca ouviu o hino nacional em competições maiores do que uma Copa do Mundo – a FIJ (federação Internacional de Judô) tem uma escala crescente de importância dos torneios, com Copas do Mundo, Grand Prix e Grand Slams, além dos Mundiais.

“Eu já venho em uma crescente. Sou sexto do ranking. O Pan estava no nosso calendário e era muito importante para minha carreira. Em 2007, não consegui participar. Esperei quatro anos para conquistar essa medalha. Quatro anos de muito suor, perseverança e persistência. Não é só mais um título no currículo”, comemorou.

Brasileiros no décimo quarto dia do Pan de Guadalajara
Brasileiros no décimo quarto dia do Pan de Guadalajara

A alegria do judoca tem muito a ver com seus últimos dois ciclos olímpicos. Titular absoluto dos 66 kg desde 2009, ele foi reserva em 2004 e 2008. “Você tem que esperar o momento. Em 2004 fiz final de seletiva olímpica, mas não era o momento. Não estava maduro, experiente. E tinha o Henrique Guimarães, que vinha de medalha olímpica. Depois veio o João Derly, que foi um grande representante da categoria. E agora eu estou fazendo a minha história. Agora é o Leandro Cunha que chegou”.

Medalhas

  • País
    Ouro
    Prata
    Bronze
    Total
    EUA 92 79 65 236
    CUB 58 35 43 136
    BRA 48 35 58 141

Atletas Brasileiros

  • Veja o perfil dos atletas brasileiros