UOL Pan 2011 Medalhista do triatlo, Pâmella sofre com peso e 'saco de cimento' nas costas - 24/10/2011 - UOL Pan 2011
  • http://pan.uol.com.br/2011/ultimas-noticias/2011/10/24/medalhista-do-triatlo-pamella-sofre-com-peso-e-saco-de-cimento-nas-costas.htm
  • Medalhista do triatlo, Pâmella sofre com peso e 'saco de cimento' nas costas
  • 24/10/2020
  • UOL Esporte - Pan 2011
  • Pan 2011
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
Pâmella Oliveira se jogou no chão após completar em terceiro lugar no triatlo

Pâmella Oliveira se jogou no chão após completar em terceiro lugar no triatlo

24/10/2011 - 10h01

Medalhista do triatlo, Pâmella sofre com peso e 'saco de cimento' nas costas

Alexandre Sinato
Em Puerto Vallarta (México)

Imagine nadar 1,5 km, pedalar 39 km e correr 10 km sob um calor de 34ºC e um clima úmido. Agora acrescente a isso 10 kg “nas costas”. Essa é a sensação que a brasileira Pâmella Oliveira sente ao enfrentar suas principais rivais do triatlo. Medalhista de bronze no último domingo, em Puerto Vallarta, ela ainda tem o porte de nadadora e sofre para se igualar às concorrentes, bem mais leves.

Brasileiros no nono dia do Pan de Guadalajara
Brasileiros no nono dia do Pan de Guadalajara

Se sua força ajuda na natação e no ciclismo, ela vira um adversário extra na corrida. “As competidoras que têm os melhores tempos são mais leves, não devem passar dos 50 kg. E eu passo dos 60 kg. Ou seja, corro com um saco de cimento nas costas.”

 

Como efeito de comparação, a chilena Barbara Riveros, que passou a brasileira na parte final da corrida e ganhou a prata, pesa 48 kg. Pâmella tem 61 kg. “Estou trabalhando muito na corrida, que é o mais complicado.”

Até o final de 2006, Pâmella era nadadora profissional e buscou uma vaga no Pan do Rio nos 800 m livre. Não conseguiu. Mudou para o triatlo e precisou se adaptar às outras duas modalidades. O corpo, segundo ela, já mudou bastante.

“Na balança não mudou muito, mas agora tenho mais massa magra nas pernas e menos gordura, já que antes as pernas não eram tão exigidas. Minhas coxas já estão muito mais pesadas”, contou.

Não bastassem essas dificuldades naturais na prova de domingo, Pâmella ainda se deparou com um obstáculo mexicano. Ela e todas as competidoras sofreram com a água quente de Puerto Vallarta. Um dia antes, as brasileiras da maratona aquática também reclamaram.

“Se você numa banheira quente já fica mole, imagina aqui. A água estava muito quente e deixa tudo mais difícil”, argumentou ela, que precisou ser carregada assim que cruzou a linha de chegada em terceiro lugar. O “saco de cimento” foi levado junto.

Medalhas

  • País
    Ouro
    Prata
    Bronze
    Total
    EUA 92 79 65 236
    CUB 58 35 43 136
    BRA 48 35 58 141

Atletas Brasileiros

  • Veja o perfil dos atletas brasileiros