UOL Pan 2011 Herói, policial militar salva também Fábulas do Pan e alia ouro no Pan à boa história - 31/10/2011 - UOL Pan 2011
  • http://pan.uol.com.br/2011/ultimas-noticias/2011/10/31/heroi-policial-militar-salva-tambem-fabulas-do-pan-e-alia-ouro-no-pan-a-boa-historia.htm
  • Herói, policial militar salva também Fábulas do Pan e alia ouro no Pan à boa história
  • 21/12/2014
  • UOL Esporte - Pan 2011
  • Pan 2011
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
31/10/2011 - 07h00

Herói, policial militar salva também Fábulas do Pan e alia ouro no Pan à boa história

Roberta Nomura
Em Guadalajara (México)

Um herói, uma princesa, um patinho feio e uma mãe. O UOL Esporte separou quatro bons personagens brasileiros que participaram do Pan de Guadalajara. O único que conseguiu brilhar em solo mexicano foi justamente o herói. O policial militar Leandro Prates salvou as Fábulas do Pan ao conquistar o ouro nos 1.500 m. A conquista, no entanto, foi sofrida e só confirmada no “photo finish”. Os demais acrescentam mais experiência a suas destacadas histórias.

A PRINCESA

A primeira a desfilar sua graça no Pan de Guadalajara foi a princesa Luiza Almeida. Herdeira do grupo Tavares de Almeida, dono da cachaça Velho Barreiro e do banco Luso Brasileiro, a paulistana disputou a prova do adestramento do hipismo, conseguiu apenas a 20ª colocação e ficou fora da final. Há quatro anos, no Rio, a musa subiu ao pódio na prova por equipes, ganhando a medalha de bronze..

O PATINHO FEIO

Quase junto com a princesa, nosso “patinho feio” também deu adeus a suas chances de brilhar e deixar a pecha de lado. Aílson da Silva aprendeu a desenvolver a modalidade que pratica, o remo, em barcos artesanais, remando contra a força do Rio Negro, no Amazonas. O glamour de treinos na lagoa Rodrigo de Freitas passa longe do amazonense. Em Guadalajara, ele tinha chance de medalha, mas passou em branco.

A SUPERMÃE

A supermãe Rosane Ewald também ganhou destaque nas Fábulas do Pan. A catarinense, que largou tudo para cuidar da saúde do filho mais novo, começou a praticar tiro somente aos 31 anos. Sete anos depois, chegou a Guadalajara para disputar o Pan com uma técnica inusitada: a auto-hipnose. A tática não funcionou. Rosane ficou na 21ª colocação entre 24 competidoras da carabina de três posições e sequer foi à final.

O HERÓI

Sem o triunfo da princesa, do patinho feio e da supermãe, restou ao herói salvar também a Fábula do Pan. Na “vida real”, o policial militar Leandro Prates salvou, pelo telefone, um bebê que estava engasgado. Nas pistas, ele sofreu para ratificar sua glória. Único da série a brilhar em Guadalajara, o atleta só teve o ouro confirmado nos 1.500 m após o “photo finish”. Com a vitória, subiu ao lugar mais alto do pódio e ouviu o hino nacional e fez questão de agradecer aos companheiros de polícia.

 

Medalhas

  • País
    Ouro
    Prata
    Bronze
    Total
    EUA 92 79 65 236
    CUB 58 35 43 136
    BRA 48 35 58 141

Atletas Brasileiros

  • Veja o perfil dos atletas brasileiros